logotipo operacional.pt

Arquivo do autor

APRESENTADO O “PLANO DE AÇÃO PARA A PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR”

Por • 18 Abr, 2019 • Categoria: 01. NOTÍCIAS

«…Os quinze anos de história da profissionalização em Portugal não permitiram a operacionalização plena de todas as suas dimensões… …No entanto, somos levados a interpretar estes problemas não como sintomas da falência do modelo, mas sim como sinais de que nos encontramos num momento crucial em que é preciso encontrar medidas para explorar as potencialidades da profissionalização e concretizá-la devidamente em todas as suas dimensões…», excerto das conclusões do referido Plano, Abril de 2019, Ministério da Defesa Nacional.



SOBRE O SEMINÁRIO “SERVIÇO MILITAR: ESCOLHER UM FUTURO”

Por • 18 Abr, 2019 • Categoria: PRIMEIRA PÁGINA

Depois do artigo que publicamos, APRESENTADO O “PLANO DE AÇÃO PARA A PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR”, hoje vamos abordar de modo tão sintético quanto possível o Seminário “Serviço Militar: Escolher um Futuro” do passado dia 12 de Abril e levantar algumas questões que nos parecem pertinentes. O Ministério da Defesa Nacional acredita que o sistema de serviço militar actual não está esgotado ignorando outras opções mas sim o seu aprofundamento. Apresentamos algumas das possibilidades não consideradas pela tutela política, como o recrutamento de estrangeiros e o recurso a civis.



FRAGATAS NAS MARINHAS ALIADAS

Por • 13 Abr, 2019 • Categoria: 07. TECNOLOGIA, EM DESTAQUE

Este artigo de Mário Roberto Vaz Carneiro, director da Segurança & Defesa do Brasil, revista com a qual mantemos colaboração regular, é muito interessante para nós portugueses. Escrito de modo muito acessível, mesmo didáctico numa matéria que envolve alguma complexidade, não deixa de nos elucidar sobre aspectos técnicos importantes. Numa altura em que a Lei de Programação Militar em Portugal parece estar prestes a ser aprovada, aqui fica este “estudo de caso” para reflexão.



EXERCÍCIO “BELEROFONTE 191” TESTA PRONTIDÃO NO EXÉRCITO

Por • 28 Mar, 2019 • Categoria: 04 . PORTUGAL EM GUERRA - SÉCULO XXI, EM DESTAQUE

O exercício “Belerofonte 191” colocou à prova a capacidade de reacção de várias componentes do Exército para certificar a Componente Terrestre da Força de Reação Imediata (CT/FRI) do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), este ano assente no 1.º Batalhão de Infantaria Paraquedista da Brigada de Reação Rápida (BrigRR), integrando outras forças do ramo. O exercício decorreu de 18 a 22 de Março de 2019, e teve como objectivos primários o treino, a avaliação e a certificação desta CT/FRI. Os 5 militares do Exército que partiram para Moçambique no primeiro C-130 em 20MAR2019, saíram directamente do exercício.



APOIO MILITAR DE EMERGÊNCIA A MOÇAMBIQUE

Por • 21 Mar, 2019 • Categoria: EM DESTAQUE

A Força de Reacção Imediata (FRI) do Estado-Maior General das Forças Armadas foi activada em 20MAR2019 para nesse mesmo dia iniciar uma operação de resposta à emergência civil que se vive na região da Beira, em Moçambique, após a passagem do ciclone “Idai”. Horas após a decisão politica um C-130 da Esquadra 501 da Força Aérea Portuguesa descolou de Lisboa, já na madrugada de 21MAR. Assim se percebe porque temos que ter, sempre, militares e meios em elevado estado de prontidão.



A BOINA DE COR VERDE NO EXÉRCITO PORTUGUÊS

Por • 18 Mar, 2019 • Categoria: EM DESTAQUE

Continuando a publicação de artigos alusivos aos 25 anos de permanência das Tropas Paraquedistas no Exército, hoje vamos abordar a questão das boinas, muito mais do que um artigo de uniforme um símbolo importantíssimo para quem as usa. Por mais estranho e anacrónico que possa parecer a alguns, há quem esteja disposto a morrer pela sua! Não se pretende fazer a história detalhada das boinas como cobertura de cabeça mas apenas uma síntese para chegar onde queremos neste artigo, ver o que pode ser feito para melhorar o uso da boina verde e conferir maior dignidade aos militares que a conquistam.



TROPAS PARAQUEDISTAS, 25 ANOS NO EXÉRCITO

Por • 25 Fev, 2019 • Categoria: EM DESTAQUE

Continuamos hoje com a publicação de artigos sobre o 25.º aniversário da transferência das Tropas Paraquedistas da Força Aérea para o Exército. A prestação em combate do 1.º e 2.º Batalhões de Infantaria Paraquedista na República Centro Africana (2018-2019) honrou a memória dos Caçadores Paraquedistas do Ultramar (1961-1975). A instrução ministrada em Tancos, dura mas humana, a motivação dos homens e mulheres que “saltam de aeronaves em voo”, já tinham provado em outras missões de paz, da Bósnia ao Afeganistão ou ao Mali, do Kosovo e Iraque a Timor, que a mudança de ramo não significou incapacidade para cumprir. 



AS COMPLEXAS ESCOLHAS NO “PROCUREMENT” AEROMILITAR

Por • 22 Fev, 2019 • Categoria: 07. TECNOLOGIA, EM DESTAQUE

O presidente francês Macron defendeu recentemente um maior protagonismo militar europeu traduzido, entre outras formas, numa maior orientação para a selecção e aquisição de material militar concebido e produzido na Europa, em detrimento daquele de outros fornecedores, nomeadamente americanos. É este o ponto de partida para o presente artigo, que marca a chegada ao Operacional de um novo colaborador, nesta interessante área cujas implicações vão muito para além da tecnologia.



BASE AÉREA N.º 6, 65 ANOS DE MEMÓRIAS, 1953-2018

Por • 8 Fev, 2019 • Categoria: 08. JÁ LEMOS E...

Numa altura em que o destino da Base Aérea N.º 6 ainda não estará completamente definido, acaba de ser lançada esta obra sobre a sua história e do anterior Centro de Aviação Naval, na península do Montijo, onde foi construída esta infra-estrutura aeronáutica, umas das mais importantes de Portugal e durante anos até com relevância para a NATO. O leitor vai tomar contacto não só com os fundamentados textos de Pedro Ventura como com abundante documentação obtida em minuciosa investigação nos arquivos nacionais e muitas fotografias de excelente qualidade.



OS SUBMARINOS DA MARINHA PORTUGUESA – 4.ª EDIÇÃO

Por • 28 Jan, 2019 • Categoria: ., 08. JÁ LEMOS E...

Os submarinos são dos mais poderosos instrumentos militares que um país virado para o mar pode ter. Portugal desde 1913 que consegue manter na sua Marinha esquadrilhas de submarinos. Actualmente o “Tridente” e o “Arpão” são dois navios modernos e com capacidades que muitas vezes passam despercebidas ao grande público. Esta obra tem o mérito de nos recordar todos os anteriores submarinos da Marinha Portuguesa e os submarinistas, abordar temas ligados à “arma submarina” ao longo da história e ainda mergulhar com a actual Esquadrilha revelando as suas capacidades e missões.