logotipo operacional.pt

PRIMEIRA PÁGINA

OS COMANDOS (OUTRA VEZ) NO CENTRO DO FURACÃO

O momento actual é extremamente penoso para todos os Comandos mas sobretudo para as famílias enlutadas. Exige-se no entanto mais do que cerrar fileiras, têm que ultrapassar os seus dogmas, mostrar a humildade dos bravos, e continuar.

A GUERRA NOS BALCÃS

Vai ser lançado no próximo dia 24 de Novembro em Lisboa o livro «A GUERRA NOS BALCÃS, Jihadismo, Geopolítica e Desinformação, Vivências de um Oficial do Exército Português ao Serviço da ONU» da autoria do Major-General Carlos Branco.

 O QUE É UMA “MISSÃO DE PAZ E HUMANITÁRIA”?

Em Portugal temos tendência para complicar coisas simples e a resposta a esta pergunta em título pode ter várias interpretações, com consequências legais muito diferentes.

O CEP, OS MILITARES SACRIFICADOS PELA MÁ POLÍTICA

A participação portuguesa na 1.ª Guerra Mundial continua a ser objecto de investigação, estudo e divulgação. Como não raras vezes acontece, quando de procuram novas fontes, novas realidades são dadas a conhecer. Foi este o caminho que os autores – António José Telo e Pedro Marquês de Sousa – procuraram fazer, e o trabalho que desenvolveram na Academia Militar onde são professores, está publicado e…sujeito a polémica! São os próprios que o justificam: “…como é fatal quando se pretende dar uma explicação sobre um assunto tão importante e tão deturpado como o CEP”.

ARMAS DA BRIGADA DE REAÇÃO RÁPIDA

Apesar da profunda alteração organizacional e mudança de designação de Brigada Aerotransportada Independente para Brigada de Reação Rápida, a heráldica para a nova Grande Unidade do Exército Português, manteve-se. Muito recentemente as Armas da BrigRR foram alteradas com a inclusão da Medalha de Ouro de Serviços Distintos, atribuída à BAI em 1997. António Sucena do Carmo, escreve sobre o assunto.

RETRATOS DE UMA MISSÃO NA BÓSNIA (VIII)

RETRATOS DE UMA MISSÃO NA BÓSNIA, continua com mais dois episódios. José Manuel Araújo, que serviu 25 anos nas tropas pára-quedistas portuguesas, Sargento Pára-quedista desde 1984, integrou a primeira missão portuguesa na Bósnia e Herzegovina em 1996. Aqui fica a sua visão, a dois tempos descritiva mas também cómica de muito do que por lá viu e passou. Mais uma vez as relações com o Comandante de Batalhão e com o Capelão, preenchem as recordações de José Araújo.