logotipo operacional.pt

PRIMEIRA PÁGINA

A REDUÇÃO CONSTANTE DOS EFECTIVOS MILITARES 

Será mesmo que a Troika teve alguma coisa de substancial a ver com a redução de efectivos militares em Portugal? Será possível fazer uma leitura político-partidária diferenciada da redução dos efectivos? Olhando para os números a resposta tem que ser não a ambas as perguntas, os sucessivos governos, desde 2007, nada alteraram.

SANTO ANTÓNIO E O EXÉRCITO

Um dos Santos mais reconhecidos e populares da Igreja Católica em Portugal mas também em vários outros países, é sem dúvida Santo António. O que talvez muitos desconheçam hoje é a sua profunda ligação ao Exército Português. SANTO ANTÓNIO E O EXÉRCITO, TRADIÇÃO, HISTÓRIA E ARQUITETURA MILITARES, é o resultado de um apurado trabalho de investigação que Augusto Moutinho Borges e Pedro Teotónio Pereira realizaram e agora a By the Book, Edições Especiais e o Exército publicam.

OFICIAIS MILICIANOS PÁRA-QUEDISTAS DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA (Volume II)

José da Fonseca Barbosa conclui com este livro o trabalho de investigação relativo aos Oficiais Milicianos Pára-quedistas da Força Aérea Portuguesa. Agora “As gerações do pós-Império” 1975-1993, aqueles que foram incorporados depois de terminada a Guerra do Ultramar. O trabalho vai muito para além destes militares, mergulha na realidade do Corpo de Tropas Pára-quedistas até à sua extinção na Força Aérea, com factos e números nunca antes compilados mas também opiniões, não só do autor como de muitos antigos milicianos.

A “SÁBADO” ERROU, PRESTOU MAU SERVIÇO À HISTÓRIA DE PORTUGAL

A avaliar pelo que o director escreveu no editorial da edição n.º 812 (21 a 27NOV2019) da revista “Sábado”, a intenção até era boa “…espera-se agora que o Governo seja coerente e produza medidas concretas de apoio aos ex-combatentes, dando operacionalidade a uma Secretaria de Estado (Secretaria de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes) cujo funcionamento e um imperativo ético e nacional.” Assim dedicou a capa e 14 páginas à “Guerra Colonial – Os primeiros soldados enviados por Salazar”. Só que o artigo não se dedica aos que foram realmente os primeiros: as Tropas Pára-quedistas da Força Aérea Portuguesa.

PÁRA-QUEDISTAS EM COMBATE 1961-1975

Um excelente livro sobre a Guerra do Ultramar e em muitos aspectos será mesmo um dos melhores já publicados sobre este conflito! O autor socorre-se de factos comprovados, não esconde dificuldades, mostra-nos o campo de batalha como poucas vezes se tem lido. Esta obra de Nuno Mira Vaz, coronel pára-quedista que fez a guerra e já publicou vários livros em diferentes estilos, tem como objectivo mostrar ao leitor os principais feitos de armas dos boinas verdes portugueses na guerra em Angola, Guiné, Moçambique e Timor, dos primeiros dias do conflito aos últimos da descolonização.

COMER E BEBER NAS TRINCHEIRAS

O Museu de Angra do Heroísmo apresenta, desde o dia 8 de outubro de 2019, na Delegação Aduaneira de Angra do Heroísmo, a mostra Comer e Beber nas Trincheiras, que traz a público utensílios militares para alimentação, principalmente marmitas e cantis, pertencentes à sua Coleção de Militaria alojada no Núcleo de História Militar Manuel Coelho Baptista de Lima.