- - http://www.operacional.pt -

NA REPUBLICA CENTRO AFRICANA OS PORTUGUESES NÃO PARAM!

Quer em Bangui quer fora da capital da República Centro Africana, por vezes a centenas de quilómetros da sua base no aeroporto internacional de M’Poko, a Força de Reacção Rápida da MINUSCA continua as operações para neutralizar grupos armados ou para prevenir as suas acções. Aqui fica uma foto-reportagem das últimas semanas de operações na RCA para os portugueses da 3.ª Força Nacional Destacada.

[1]

Fora da capital a Quick Reaction Force da MINUSCA – os portugueses da 3.ª FND – em missão de reconhecimento

Bangui

Um observador externo da RCA certamente nota que a MINUSCA nos últimos tempos centrou a sua atenção em Bangui, mais concretamente no bairro conhecido por “PK 5”(na realidade o 3.º “bairro” ou “distrito” de Bangui) . Embora por cá se dê natural ênfase à participação nacional nas operações em curso – e os Páras portugueses já entraram em combate directo com os Grupos Armados neste bairro pelo menos duas vezes no espaço de 10 dias – este está a ser um esforço da MINUSCA e das forças armadas e policias locais. O bairro é considerado o “pulmão económico” da capital, as autoridades locais não se podem conformar com o seu controlo por grupos armados de inspiração islâmica, mas aparentemente actuando também como bandidos que se dedicam a extorquir dinheiro. São violentos, usam armas automáticas e granadas contra as forças da ordem e contra a MINUSCA. Já mataram e fizeram feridos nos contingentes multinacionais, entre os quais um ferido ligeiro português.

A FND portuguesa que antes (2017 e inicio 2018) actuou com reconhecido sucesso longe da capital, agora recolheu mais impacto mediático entre nós o seu emprego em Bangui mesmo que também já tenham actuado bem longe da capital.

[2]

Localização das áreas que é público as tropas portuguesas terem actuado na RCA entre 5 de Março e 19ABR2018

Como Força de Reacção Rápida (Quick Reaction Force/MINUSCA) actua nas situações mais criticas e onde todos os outros não conseguiram resolver. Foi assim com os Comandos em várias localidades, está a ser assim em Bangui com os Pára-quedistas num combate sem tréguas que as autoridades estão a travar contra os Grupos Armados.

Neste PK5, até pela sua dimensão – cerca de 20Km quadrados de área, grande parte um autêntico labirinto – claro que o ambiente em que actuam os Páras é complexo, havendo necessidade de grande sangue-frio para actuar com firmeza, mesmo com violência, mas sem causar baixas civis visando apenas quem está armado. Que se saiba publicamente pelo menos um par de vezes tiveram que abrir fogo sobre estes Grupos Armados, com espingardas automáticas e mesmo metralhadoras ligeiras e pesadas, e numa terceira ocasião, serviram como força de interposição impedindo o deslocamento de civis para evitar confrontos e ao mesmo tempo estiveram mesmo junto (a metros) de um dos contingentes multinacionais para o reforçar se este necessitasse, o que não se verificou.

[3]

Operações em Bangui.

[4]

[5]

[6]

[7]

[8]

[9]

[10]

[11]

[12]

[13]

Treino com as Forças Especiais do Bangladesh

[14]

[15]

[16]

[17]

[18]

 

Fora de Bangui

Longe da capital a Quick Reaction Force / MINUSCA tem actuado até agora em missões como as já referidas pelo Tenente-Coronel João Bernardino ao Operacional [19] e também, desde então, em reconhecimentos que se apoiaram em bases temporárias montadas junto de aquartelamentos de outros contingentes da ONU, o mais recente foi – esta semana – um batalhão do Burundi em Sibuti (ver mapa acima). Trata-se de prevenir possíveis actividades de rebeldes armados, reconhecer locais onde a QRF pode ter que voltar a “visitar” e mostrar a “bandeira” da ONU, tentando incutir confiança na população e contribuir para a normalização da situação.

E, quando menos de espera…acudir a um acidente rodoviário na estrada Bangui-Sibut em Damara, com vários feridos, sem grande gravidade (fracturas expostas) mas ainda sim um apoio imediato com pessoal médico que foi bastante apreciado!

Grupos armados com armas automáticas e granadas que usam sem problemas, contingentes de outros países com sociedades e culturas muito diferentes, nomeadamente no respeito pela vida humana, civis de todas as idades e géneros, parte até possivelmente apoiantes dos grupos armados ou pelo menos que não os afronta, é este o ambiente em que os pára-quedistas actuam neste momento. Estão treinados para combater mas não basta. Muita da experiência que adquiriram nas missões NATO no Kosovo onde se treinava intensivamente o Controlo de Tumultos e operações em que evitar baixas civis era primordial, está agora aqui a ser uma enorme mais-valia. Nunca é demais no entanto referir – até por confronto com outras culturas e sociedades do globo – o humanismo do militar português e o bom senso dos comandantes dos vários escalões, dos oficiais superiores aos sargentos, passando pelos oficiais subalternos e capitães.

Mas só a excelência do soldado português pode não chegar! Ele tem que estar bem equipado e armado, tem que ter superioridade sobre o inimigo em termos tecnológicos e as suas viaturas, armas e sensores têm que ser fiáveis. Baixas podem sempre acontecer, ali combate-se, mas se isto for acautelado a sua probabilidade é bem menor.

[20]

Operações fora de Bangui

[21]

[22]

[23]

[24]

[25]

[26]

[27]

[28]

[29]

Apoio médico a populares vitimas de acidente rodoviário

[30]

[31]

[32]

[33]

[34]

Esta foto com que encerramos a foto-reportagem é bem elucidativa de algumas das características de parte do teatro de operações onde actuam os Páras portugueses.

Sobre a actividade recente das tropas portuguesas na RCA leia também no Operacional:

COMANDANTE DA FND PORTUGUESA NA RCA FALA AO OPERACIONAL [19]

FORÇA PORTUGUESA NA REPÚBLICA CENTRO AFRICANA [35]

PÁRAS PRONTOS PARA A REPÚBLICA CENTRO AFRICANA [36]
DEFESA NACIONAL E FORÇAS ARMADAS, O PIOR E O MELHOR DE 2017 [37]
MILITARES PORTUGUESES EM ÁFRICA AO SERVIÇO DA ONU E UE [38]
BRIGADEIRO-GENERAL PORTUGUÊS COMANDA EUTM-REPÚBLICA CENTRO AFRICANA [39]
MISSÃO NA RCA – REPÚBLICA CENTRO AFRICANA [40]