- - http://www.operacional.pt -

TEMPO DE BALANÇO NO 9.º ANIVERSÁRIO DA BRIGADA DE REACÇÃO RÁPIDA

A Brigada de Reacção Rápida (BrigRR), reconhecida publicamente por integrar as Tropas Especiais do Exército Português (pára-quedistas, operações especiais e comandos), tem também na sua orgânica unidades de infantaria, artilharia, cavalaria e engenharia, conjunto de forças que se pretende complementar e que apresenta características muito específicas, no seio do ramo terrestre das Forças Armadas Portuguesas. Estivemos em Tancos no dia 26 de Setembro de 2014, e apresentamos a reportagem fotográfica do Alfredo Serrano Rosa.

Guiões heráldicos das unidades da Brigada de Reacção Rápida: Área Militar de S. Jacinto; Regimento de Infantaria n.º 15; Brigada de Reacção Rápida; Centro de Tropas Comandos; Escola de Tropas Pára-quedistas; Unidade de Aviação Ligeira do Exército; Regimento de Artilharia n.º 4; Centro de Tropas de Operações Especiais; Regimento de Infantaria n.º 3. [1]

Guiões heráldicos das unidades da Brigada de Reacção Rápida: Área Militar de S. Jacinto; Regimento de Infantaria n.º 15; Brigada de Reacção Rápida; Centro de Tropas Comandos; Escola de Tropas Pára-quedistas; Unidade de Aviação Ligeira do Exército; Regimento de Artilharia n.º 4; Centro de Tropas de Operações Especiais; Regimento de Infantaria n.º 3. Tudo indica que em breve este dispositivo irá sofrer novas alterações no âmbito de nova reorganização do Exército.

É uma equação difícil mas que tem sido levada a cabo com sucesso desde a sua criação em 2005, a conjugação de unidades de élite de tão diferentes tradições e tipologias, cada uma delas com a sua própria idiossincrasia, alicerçada em décadas de emprego operacional, a maior parte das vezes de modo autónomo. Sendo certo que nem todas as arestas estarão limadas, possivelmente nem nunca o serão, a realidade é que os sucessivos comandos da BrigRR têm sabido nesta primeira década de vida, com inteligência, bom senso e o empenho dos seus subordinados, fazer desta grande unidade, um instrumento militar credível, com inúmeras missões operacionais cumpridas com inegável sucesso, fora do território nacional, e com um emprego em território nacional por vezes em exercícios multinacionais de elevada complexidade e exigência, actuando com outras forças de terra, mar e ar, nacionais e estrangeiras, com elevados padrões de profissionalismo.

Também no apoio às autoridades civis em situações como os fogos florestais ou em acções de benefício directo das populações, a BrigRR, cumpre como as demais essas nobres missões, mostrando mais uma vez a sua polivalência.

E esta capacidade de “fazer várias coisas”, não sendo de agora, é um facto concreto e não frase sem sentido prático. Só um exemplo que se repete no tempo, entre outros possíveis: em 1996 os pára-quedistas numa questão de semanas foram equipados com viaturas blindadas Chaimites, que nunca tinham usado, e rumaram à Bósnia, onde as utilizaram intensamente – nunca tinham sido tão usadas fora do território nacional na sua longa história! Em 2014, o 1.º Batalhão de Infantaria Pára-quedista, que nunca tinha usado as viaturas blindadas Pandur, numa questão de semanas, foi instruído nesse sentido, e está hoje no Kosovo fazendo uso destes novos e sofisticados blindados de rodas do Exército.

Este ano a "placa" da antiga BA 3 voltou a encher-se de militares e foi também apresentada um volume razoável de viaturas dos diversos tipos usados na componente operacional da brigada. [2]

Este ano a “placa” da antiga BA 3 voltou a encher-se de militares e foi também apresentada um volume razoável de viaturas dos diversos tipos usados na componente operacional da brigada (*).

Como foi referido quer pelo Chefe do Estado-Maior do Exército, General Carlos Jerónimo – pela primeira vez um antigo comandante desta brigada, e das que a antecederam, chega a comandante do Exército – quer pelo Comandante da Brigada de Reacção Rápida, Major-General Campos Serafino – que comanda a unidade desde 30 de Maio de 2011 – as questões relativas aos recursos humanos, sendo certo que são críticas em qualquer organização, têm aqui uma especial acutilância pela elevada especialização de determinados grupos profissionais.

Apresentação das forças em parada, ao CEME, General Carlos Jerónimo. Pela primeira vez na sua história o Exército Português é comandado por um oficial general com o curso de pára-quedismo militar e que fez a maior parte da sua carreira nas Tropas Pára-quedistas, primeiro na Força Aérea e depois no Exército, tendo comandado a Escola de Tropas Pára-quedistas entre 2000 e 2002 e a BrigRR entre 2006 e 2009. [3]

Apresentação das forças em parada ao CEME, General Carlos Jerónimo. Pela primeira vez na sua história o Exército Português é comandado por um oficial general com o curso de pára-quedismo militar e que fez a maior parte da sua carreira nas Tropas Pára-quedistas, primeiro na Força Aérea e depois no Exército, tendo comandado a Escola de Tropas Pára-quedistas entre 2000 e 2002 e a BrigRR entre 2006 e 2009.

Mais do que fazermos nós aqui uma selecção do que nos pareceu mais importante do que foi dito, achamos que vale a pena ler os discursos que anexamos. Transmitem: a natural satisfação que representa para um chefe militar poder elogiar os seus subordinados, porque também ele muitas vezes recebe de terceiros esses comentários sobre o trabalho dos “seus homens e mulheres”, mas também pelo menos parte do que pensa o comando do Exército sobre o futuro em termos de algumas necessidades em equipamentos e qual é a sua postura perante os desafios que se colocam aos militares no momento actual da vida nacional; uma interessante reflexão do comandante da BrigRR sobre os desafios que se colocam a esta grande unidade, quer em termos organizacionais quer em termos de recursos humanos (as preocupações com o recrutamento e retenção são claras) talvez bem sintetizada nesta frase “…consideramos que vale a pena proceder a uma análise aprofundada do tema, para melhor rentabilizar a utilização dos militares com especialidades muito específicas e exigentes, de acordo com um princípio geral de tratar igual o que é igual e diferente o que realmente é diferente…

É também nestes discursos que podemos encontrar as actividades desenvolvidas pela BrigRR durante o último ano, as quais naturalmente contradizem muitas ideias feitas sobre o trabalho desenvolvido pelos militares.

GENERAL CARLOS ANTÓNIO CORBAL HERNANDEZ JERÓNIMO [4]

GENERAL CARLOS ANTÓNIO CORBAL HERNANDEZ JERÓNIMO

Clique e leia aqui o discurso do General Carlos Jerónimo, Chefe do Estado-Maior do Exército [5]

MAJOR-GENERAL FERNANDO CELSO VICENTE DE CAMPOS SERAFINO [6]

MAJOR-GENERAL FERNANDO CELSO VICENTE DE CAMPOS SERAFINO

Clique e leia aqui o discurso do Major-General Campos Serafino, Comandante da Brigada de Reacção Rápida [7]

A reportagem fotográfica do Alfredo Serrano Rosa, será apresentada em dois artigos, este, e um próximo dedicado exclusivamente às viaturas.

2.º Batalhão de Infantaria Pára-quedista, que se encontra aquartelado na Área Militar de S. Jacinto (Aveiro) [8]

2.º Batalhão de Infantaria Pára-quedista, que se encontra aquartelado na Área Militar de S. Jacinto (Aveiro)

O Regimento de Infantaria n.º 3, Beja, "sentinela do Baixo-Alentejo", também integra a BrigRR. [9]

O Regimento de Infantaria n.º 3, Beja, “sentinela do Baixo-Alentejo”, também integra a BrigRR.

Imposição de condecorações a oficiais.. [10]

Imposição de condecorações. Foram condecorados vários oficiais e sargentos Acima, MGen, CARLOS ALBERTO GRINCHO CARDOSO PERESTRELO; COR INF PARA, MANUEL JOAQUIM VIEIRA ESPERANÇA; TCOR SGPQ, JOÃO MANUEL DA COSTA LOPES.

...e a Sargentos [11]

Condecorados os 1SARG INF, JOSÉ CARLOS PINTO CAMELO 1SARG ART, JOAQUIM MANUEL CARMONA RIBEIRO, impuseram as condecorações os TGEN ANTÓNIO XAVIER LOBATO DE FARIA MENEZES; MGEN RAUL LUÍS DE MORAIS LIMA FERREIRA DA CUNHA)

Militares condecorados em 26SET2014:

ORDEM MILITAR DE AVIS, GRAU DE COMENDADOR :

CORONEL INFª OE- ANTÓNIO ALCINO DA SILVA REGADAS

MEDALHA DE SERVIÇOS DISTINTOS, GRAU PRATA:

MGen, CARLOS ALBERTO GRINCHO CARDOSO PERESTRELO

COR INF PARA, MANUEL JOAQUIM VIEIRA ESPERANÇA

TCOR SGPQ, JOÃO MANUEL DA COSTA LOPES

MEDALHA DE MÉRITO MILITAR, 4ª CLASSE:

1SARG INF, JOSÉ CARLOS PINTO CAMELO

1SARG ART, JOAQUIM MANUEL CARMONA RIBEIRO

MEDALHA D AFONSO HENRIQUES- MÉRITO DO EXERCITO:

MEDALHA DE D. AFONSO HENRIQUES – MÉRITO DO EXÉRCITO – 1ª CLASSE

COR INF PARA, JOSÉ CARLOS DE ALMEIDA SOBREIRA

MEDALHA DE D. AFONSO HENRIQUES – MÉRITO DO EXÉRCITO – 2ª CLASSE

COR INF PARA, VASCO FRANCISCO DE MELO P. DE ALVES PEREIRA

TCOR INF PARA, JOÃO DE SOUSA MACHADO

MEDALHA DE D. AFONSO HENRIQUES – MÉRITO DO EXÉRCITO – 3ª CLASSE:

TEN INF CMD, RICARDO NUNO PIRES BORGES

MEDALHA DE D. AFONSO HENRIQUES – MÉRITO DO EXÉRCITO – 4ª CLASSE:

SAJ ART, JOSÉ CARLOS RAMOS GASPAR

SAJ CAV, MANUEL PAULINO MATOS MODESTO

SAJ ADMIL, ANTÓNIO JORGE LEAL GONÇALINHO RUIVO

1SARG ART, RUI MANUEL VARELA PEXIRRA

O novo porta-estandarte nacional e escolta de honra: TEN PARA CARLOS ALEXANDRE DA GRAÇA LOPES, da UALE -1SARG PARA VITOR DUARTE DA SILVA CORREIA, da ETP; -1SARG PARA VASCO ANTERO CATARINO PIRES, do RA4; -1CAB PARA JOSÉ DIAS CARNAPETE, da ETP; [12]

O novo porta-estandarte nacional da brigada e escolta de honra:
TEN PARA CARLOS ALEXANDRE DA GRAÇA LOPES, da UALE; 1SARG PARA VITOR DUARTE DA SILVA CORREIA, da ETP; 1SARG PARA VASCO ANTERO CATARINO PIRES, do RA4; 1CAB PARA JOSÉ DIAS CARNAPETE, da ETP.

O novo porta-guião heráldico da Brigada: SAJ TMS LUIS VEIGA MARIA LOUREIRO, da UALE [13]

O novo porta-guião heráldico da Brigada:
SAJ TMS LUIS VEIGA MARIA LOUREIRO, da UALE

BATALHÃO COM SECÇÃO CINOTÉCNICA E 3COMPANHIAS DE 2 PELOTÕES CADA, DA ESCOLA DE TROPAS PARAQUEDISTAS DO REGIMENTO DE INFANTARIA 15 E DO REGIMENTO DE INFANTARIA 10 COMANDADO PELO TCOR PARA PAULO PEREIRA [14]

BATALHÃO COM SECÇÃO CINOTÉCNICA E 3COMPANHIAS DE 2 PELOTÕES CADA, DA ESCOLA DE TROPAS PARAQUEDISTAS DO REGIMENTO DE INFANTARIA 15 E DO REGIMENTO DE INFANTARIA 10 COMANDADO PELO TCOR PARA PAULO PEREIRA

13Dia BrigRR copy [15]

Militares colocados na Unidade de Aviação Ligeira do Exército que organicamente continua a ser parte da BrigRR. [16]

Unidade de Aviação Ligeira do Exército que organicamente continua a ser parte da BrigRR e integra militares de várias armas e serviços.

Cerca de 13% dos militares Exército Português são do sexo feminino. [17]

Cerca de 13% dos militares Exército Português são do sexo feminino.

Uma das companhias do Batalhão de Comandos que está aquartelado na Serra da Carregueira (Belas) [18]

Uma das companhias do Batalhão de Comandos que está aquartelado na Serra da Carregueira (Belas)

O batalhão de Comandos mantém o  "cruzar arma" na continência à direita durante o desfile militar. A manutenção das tradições nas unidade de elite é uma motivação importante que deve ser mantida. [19]

O Batalhão de Comandos mantém o “cruzar arma” na continência à direita durante o desfile militar. A manutenção das tradições nas unidade de elite é uma motivação importante para os seus membros que deve ser mantida.

Forças de Operações Especiais, armadas e equipadas para diversos tipos de emprego. [20]

Forças de Operações Especiais, armadas e equipadas para diversos tipos de emprego.

Mesmo que o panorama geral no Exército em termos de equipamento individual e armamento não seja brilhante, as  Operações Especiais apresentaram em Tancos, novidades pontuais. Talvez a que despertou mais atenção tenha sido a HK 416 (um pequeno lote delas foi recentemente adquirido), que representa sem dúvida um passo em frente. [21]

Mesmo que o panorama geral no Exército em termos de equipamento individual e armamento não seja brilhante, as Operações Especiais apresentaram em Tancos, novidades pontuais. Talvez a que despertou mais atenção tenha sido a HK 416 5,56mm SOF  (um pequeno lote delas foi recentemente adquirido), que representa sem dúvida um passo em frente.

21Dia BrigRR copy [22]

Enquanto o 1.º BIPara se encontra em missão no Kosovo e outros elementos da brigada estão no Afeganistão e no Mali, o 2.º BIPara mantém-se em território nacional, pronto para ser empenhado em missões que requeiram uma capacidade de reacção rápida, em cenários de baixa e média intensidade ou evacuação de não-combatentes. [23]

Enquanto o 1.º BIPara se encontra em missão no Kosovo e outros elementos da brigada estão no Afeganistão e no Mali, o 2.º BIPara mantém-se em território nacional, pronto para ser empenhado em missões que requeiram uma capacidade de reacção rápida, em cenários de baixa e média intensidade ou evacuação de não-combatentes.

23 Dia BrigRR copy [24]

Guião e porta guião da Associação de Operações Especiais, a única associação de antigos militares presente nesta cerimónia. [25]

Guião e porta guião da Associação de Operações Especiais, a única associação de antigos militares presente nesta cerimónia.

Um dos Saltadores Operacionais de Grande Altitude (SOGA) do Destacamento Alfa e Charlie da Companhia de Precursores, do Batalhão Operacional Aeroterrestre, que saltaram. Estavam equipados com pára-quedas operacionais SOV-3. [26]

Um dos Saltadores Operacionais de Grande Altitude (SOGA) do Destacamento Alfa e Charlie da Companhia de Precursores, do Batalhão Operacional Aeroterrestre, que saltaram. Estavam equipados com pára-quedas operacionais SOV-3.

Os "Falcões Negros", equipa de queda-livre do Exército, da Escola de Tropas Pára-quedistas, com pára-quedas DRAKKAR/Navigator. [27]

Os “Falcões Negros”, equipa de queda-livre do Exército, da Escola de Tropas Pára-quedistas, com pára-quedas DRAKKAR/Navigator.

Composição fotográfica com as três bandeiras que os "Falcões Negros" desfraldaram nos céus de Tancos.A Bandeira Nacional, com 72 m2 (9x8) e é das maiores utilizadas no mundo em saltos em pára-quedas. [28]

Composição fotográfica com as três bandeiras que os “Falcões Negros” desfraldaram nos céus de Tancos. A Bandeira Nacional, com 72 m2 (9×8) e é das maiores utilizadas no mundo em saltos em pára-quedas.

 

Clique e veja parte do desfile apeado das Tropas Comando, Operações Especiais e Pára-quedistas [29]

 (*) Composição das forças em parada, sob o comando do 2.º Comandante da BrigRR, Coronel Tirocinado de Cavalaria PEDRO MIGUEL ANDRADE DA FONSECA LOPES:

BANDA E FANFARRA DE ÉVORA;ESTANDARTE NACIONAL E ESCOLTA; BLOCO DE GUIÕES HERÁLDICOS DA BRIGADA DE REACÇÃO RÁPIDA; SECÇÃO CINOTÉCNICA ; UM BATALHÃO A 3COMPANHIAS DE 2 PELOTÕES CADA, DA ESCOLA DE TROPAS PÁRA-QUEDISTAS DO REGIMENTO DE INFANTARIA 15 E DO REGIMENTO DE INFANTARIA 10; UM BATALHÃO A 3COMPANHIAS DE 2PELOTÕES COM 1 ESQUADRÃO DA UNIDADE DE AVIAÇÃO DO EXERCITO, 1 COMPANHIA DO CENTRO DE TROPAS DE OPERAÇÕES ESPECIAIS E COMPANHIA MISTA COM 1 PELOTÃO DO REGIMENTO DE INFANTARIA 3 E OUTRO DA COMPANHIA DE TRANSMISSÕES;UM BATALHÃO A 3COMPANHIAS DE 2PELOTÕES COM UMA COMPANHIA DO CENTRO DE TROPAS COMANDO, UMA BATERIA DO REGIMENTO DE ARTILHARIA 4 E UMA COMPANHIA MISTA CONSTITUÍDA POR MILITARES DA COMPANHIA DE ENGENHARIA, DA COMPANHIA DE COMANDO E SERVIÇOS E DA BATERIA DE ARTILHARIA ANTIAÉREA;3 UNIDADES DE ESCALÃO BATALHÃO ARMADAS E EQUIPADAS PARA COMBATE DE COMANDOS, OPERAÇÕES ESPECIAIS E PÁRA-QUEDISTAS.

 

Veja aqui o DESFILE MOTORIZADO DO 9.º ANIVERSÁRIO DA BRIGADA DE REACÇÃO RÁPIDA [30]

UM POUCO DE HISTÓRIA:

A BRIGADA DE REACÇÃO RÁPIDA COMEMOROU EM 26 DE SETEMBRO, O SEU “DIA” SENDO ESTA DATA ESCOLHIDA POR RAZÕES DE AGENDA MAS REPORTANDO-SE AO DIA 29 DE SETEMBRO, POR SER O DIA DE S. MIGUEL ARCANJO, PADROEIRO DAS TROPAS PÁRA-QUEDISTAS.

EM SETEMBRO DE 1993, PREVENDO A CRIAÇÃO DA NOVA UNIDADE AEROTRANSPORTADA NO EXÉRCITO PORTUGUÊS, É MINISTRADO NO CORPO DE TROPAS PÁRA-QUEDISTAS DA FORÇA AÉREA PORTUGUESA, UM CURSO DE PÁRA-QUEDISMO MILITAR (175º) A OFICIAIS E SARGENTOS DO QUADRO PERMANENTE ORIUNDOS DAS DIVERSAS ARMAS E SERVIÇOS DO EXÉRCITO.

EM 31 DE DEZEMBRO DE 1993 É EXTINTO NA FORÇA AÉREA O CORPO DE TROPAS PÁRA-QUEDISTAS E NO EXÉRCITO O REGIMENTO DE COMANDOS.

EM 1 DE JANEIRO DE 1994, É CRIADO O COMANDO DAS TROPAS AEROTRANSPORTADAS E A BRIGADA AEROTRANSPORTADA INDEPENDENTE, COM BASE NOS EFECTIVOS ESPECIALIZADOS EM PÁRA-QUEDISMO ORIUNDOS DA FORÇA AÉREA, E OS DO EXÉRCITO QUE CONCLUÍRAM COM APROVEITAMENTO O CURSO DE PÁRA-QUEDISMO MILITAR.

O COMANDO DAS TROPAS AEROTRANSPORTADAS FOI O FIEL DEPOSITÁRIO DAS TRADIÇÕES E DO PATRIMÓNIO HISTÓRICO DOS EXTINTOS CORPO DE TROPAS PÁRA-QUEDISTAS E REGIMENTO DE COMANDOS.

NA SEQUÊNCIA DE UMA REFORMULAÇÃO DO DISPOSITIVO TERRITORIAL DA FORÇA AÉREA, A BASE AÉREA Nº 3, EM TANCOS, É EXTINTA E AS SUAS INSTALAÇÕES TRANSFERIDAS PARA O EXÉRCITO.

AS INFRA-ESTRUTURAS DA EX-BASE AÉREA Nº 3 PASSAM A SER O AQUARTELAMENTO DO COMANDO DAS TROPAS AEROTRANSPORTADAS/BRIGADA AEROTRANSPORTADA INDEPENDENTE.

COM A CRIAÇÃO DO GRUPO DE AVIAÇÃO LIGEIRA DO EXÉRCITO E A SUA INSTALAÇÃO EM TANCOS DURANTE O ANO DE 2000, AS INSTALAÇÕES DA EX-BASE AÉREA Nº 3, AGORA DESIGNADAS AERÓDROMO MILITAR DE TANCOS PASSAM A SER PARTILHADAS PELO COMANDO DAS TROPAS AEROTRANSPORTADAS E PELO GRUPO DE AVIAÇÃO LIGEIRA DO EXÉRCITO.

DE ACORDO COM A DIRECTIVA Nº 5/CEME DE 23 DE MAIO DE 2005, A BRIGADA AEROTRANSPORTADA INDEPENDENTE PASSOU A BRIGADA DE REACÇÃO RÁPIDA, REUNINDO ASSIM, ENTRE OUTRAS, FORÇAS DE PÁRA-QUEDISTAS, OPERAÇÕES ESPECIAIS, COMANDOS, UNIDADE DE HELICÓPTEROS (A CONSTITUIR), ARTILHARIA, RECONHECIMENTO E ENGENHARIA.

A BRIGADA DE REACÇÃO RÁPIDA TEM COMO DIVISA “SE FIZERAM POR ARMAS TÃO SUBIDOS”. ESTA DIVISA TRADUZ O VALOR E PROFISSIONALISMO DE TODOS AQUELES QUE, ONTEM E HOJE, FIZERAM E MANTÊM ESTA GRANDE UNIDADE, ONDE O SEU ALTO GRAU DE OPERACIONALIDADE SERÁ SEMPRE ORIENTADO PARA A DEFESA DOS SUPERIORES INTERESSES DA NAÇÃO.