- - http://www.operacional.pt -

O MOTOCICLO MILITAR

Sérgio Rezendes escreve mais uma vez no Operacional, novamente centrado nos Açores, mas agora partilhando informações e fotos dos primórdios do uso militar das motos em Portugal, muito em particular no período da II Guerra Mundial.

Harley-Davidson, provavelmente em Ponta Delgada embora o militar pertença ao regimento de Angra do Heroísmo (Foto Família Rodrigues Gonçalves) [1]

Harley-Davidson, provavelmente em Ponta Delgada embora o militar pertença ao Regimento de Angra do Heroísmo (Foto Família Rodrigues Gonçalves)

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DO TRANSPORTE NOS AÇORES: O MOTOCICLO MILITAR

Ensaiadas para fins bélicos em finais do séc. XIX, as primeiras motocicletas militares divertiam a cavalaria pela sua falta de fiabilidade e baixas prestações, que menosprezando-as, as ridicularizava e desapreciava. Contudo, com os avanços tecnológicos ocorridos durante a primeira década do séc. XX, rapidamente a diversão deu lugar ao horror ao se constatar que para além do transporte rápido de armas, eram também superiores à bicicleta e ao cavalo nas missões de estafeta e transporte pessoal. Chegariam mesmo a poder ter um papel activo em combate, nomeadamente (e em primeiro lugar) pelos alemães, antes da I Guerra Mundial. Apesar de muito mal vista por vários oficiais conservadores (em virtude da considerada excessiva liberdade de movimentos) a verdade é que uma minoria dirigente entendeu o papel que a motorizada podia assumir nos exércitos em campanha, pelo que em 1910 as suas vantagens eram demonstradas regularmente em exercícios militares em todo o mundo. Apesar da introdução da motorização no Exército Português ter sido feita muito cedo, por intermédio da Artilharia, desconhece-se a entrada da motocicleta nas fileiras nacionais, sendo já patente no continente português em 1916 e usada no norte de França, através do Corpo Expedicionário Português ou mesmo nos Açores, em 1918.

Em França, no rescaldo da Grande Guerra, o Tenente Carlos A. F. Ribeiro, de Administração Militar e o seu ordenança (Fonte José Paulo Berger) [2]

Em França, no rescaldo da Grande Guerra, o Tenente Carlos A. F. Ribeiro, de Administração Militar e o seu ordenança (Fonte José Paulo Berger)

O presente trabalho procura pois realçar o papel das antecessoras das nossas máquinas ao serviço da Nação, embora num espaço bastante delimitado como é o arquipélago dos Açores, de importância crucial para os beligerantes e para o País durante a II Guerra Mundial. Procurar-se-á evidenciar as diferentes marcas utilizadas pelo Exército nas ilhas, a sua importância e utilização, desmistificando-se a ideia de que as motos na II Guerra Mundial seriam apenas Harley-Davidson e B.M.W. Um segundo objectivo será também o de destacar o soldado (normalmente desconhecido) que a conduzia, homenageando-se assim os pioneiros das motos em Portugal bem como os que morreram em combate (nomeadamente no norte de França) e mesmo, porque não, nas estradas de Portugal. Intimamente associada à manutenção do equilíbrio e da dualidade Ibérica, bem como a integridade do império Ultramarino, Portugal, durante a II guerra Mundial, viu-se forçado igualmente a defender a importância estratégica dos arquipélagos Atlânticos nomeadamente os Açores. Ambas as partes beligerantes viam no arquipélago a hipótese de estabelecer portos e aeródromos para apoio dos seus planos militares, nomeadamente a Inglaterra, os Estados Unidos da América e a própria Alemanha. A protecção do cabo telegráfico inglês, a viabilização da protecção dos comboios marítimos entre as duas margens do Atlântico e a cobertura aérea das rotas eram razões mais do que justificadas para uma invasão inglesa às ilhas açorianas, tornando-se as mesmas uma alternativa a Gibraltar, caso este caísse sob domínio alemão. Desgastados pela estratégia alemã do uso de matilhas de submarinos para assegurar o domínio do Atlântico, destacam-se pois os 27 planos secretos ingleses para a ocupação dos Açores, bem como o plano americano Rainbow 5 ou mesmo o plano conjunto com a Inglaterra denominado Brisk, em que se ordenava a preparação e prevenção de tropas americanas para o ataque, à semelhança do que já havia sido feito pelos Ingleses. Em contrapartida, Adolph Hitler, preparava a 12 de Novembro de 1940, a Operação Félix em que tomava como objectivos a ocupação da Península Ibérica, Gibraltar, Cabo Verde, Açores e Madeira, providenciando o envio de tropas para a fronteira espanhola. Com uma atenção especial para com os Açores, o füher antevia um possível ataque aos Estados Unidos da América, assente na mais actual tecnologia alemã para a época, bem como o domínio do Atlântico. Estavam pois criadas todas as condições para que qualquer parte em conflito, caso fosse necessário ou mesmo possível, tomar as ilhas açorianas, com ou sem consentimento do Estado Português. Perante o deflagrar do conflito, o Presidente do Conselho de Ministros português, Dr. António de Oliveira Salazar, rapidamente declarou a Neutralidade portuguesa e em virtude de interesses mútuos, Espanha e Portugal estreitam ainda mais os objectivos do conhecido Pacto Ibérico assinado em 1939. Mercê do interesse pelo domínio do Atlântico e subsequentemente pelos Açores, António de Oliveira Salazar começa a prepara a defesa das ilhas logo em finais de 1939, mandando construir baterias de costa de 15 cm em Ponta Delgada e Horta para a defesa dos seus portos. Contudo, após a queda de França e perante uma ameaça bastante real de invasão ao continente português e à consequente necessidade de retirar o Governo para local seguro, ao que tudo aponta serem os Açores, acentuam-se os esforços da diplomacia portuguesa no sentido da neutralidade, paralelamente a um esforço militar pela soberania nacional e ultramarina, do qual os Açores são um caso muito particular, não fosse a área do Império que mais soldados continentais recebeu, cerca de 26. 500 Homens para reforçar as guarnições locais, totalizando um número aproximado de 30.000 a 32.000 homens, dispersos pelas ilhas de S. Miguel, Terceira e Faial. Em conjunto com um tão alto efectivo, vieram as máquinas, desde os aviões e hidroaviões aos tractores para a construção de aérodromos, passando por viaturas de comando, transporte geral e pessoal até às motorizadas. No final da guerra, era o seu número de 99, pouco para as reais necessidades do contexto vivido. A bem dizer, em 1941 eram mesmo raras embora indispensáveis para servirem de estafetas em virtude do acidentado do terreno e das grandes distâncias a vencer, mesmo entre comandos de pelotão nos respectivos postos de combate, construídos em todos os pontos de acesso das chamadas ilhas guarnecidas. Indispensáveis desde os quartéis – generais (serviço postal militar) até às companhias, a cada Batalhão de Infantaria (ao todo 19, só para falar nos batalhões), deveriam caber pelo menos 6 motociclistas (dois para o comando e os restantes para as companhias) de modo a assegurar a eficácia e rapidez do serviço de transmissões entre os comandos e os postos de comando subordinados e no interior destes, principalmente em caso de ataque, em virtude da frágil rede telefónica existente e dos limitados meios ópticos, luminosos e rádio – eléctricos. Os chamados agentes de transmissão rápidos, detinham uma importância igual ao emprego da T.S.F. em caso de ataque, porque realizavam uma função primordial na reacção ao mesmo, impossível de ser duplicada pelas restantes viaturas terrestres, bicicletas ou estafetas a pé ou cavalo, justificando-se a sua atribuição para além das unidades de Engenharia, às unidades de Infantaria. Surgem igualmente atribuídas, embora em menor número às unidades de Artilharia ligeira e pesada, nomeadamente a esclarecedores e observadores, embora o estafeta estivesse também sempre presente. A utilização das motos simples extrapolava o seu uso apenas por praças, contemplando-se também o seu uso por oficiais subalternos, nomeadamente na observação da artilharia contra aeronaves. O seu uso era igualmente intenso pela Legião Portuguesa, colocada na dependência directa do Comando Militar dos Açores e responsável pela organização da Defesa Civil do Território, cooperando directamente e activamente quando declarado o Estado de Alerta ou de Alarme, organizando os socorros, evacuações, alertas contra ataques aéreos, ocultação de luzes, regularização do trânsito, defesa de centros vitais como centros civis de comunicações e economia, terrenos abordáveis pelo ar, bem como os locais de concentração de estrangeiros. Novamente a importância dos estafetas é realçada, mercê da sua importância no dispositivo de observação montado, procurando-se evitar a todo o custo um golpe de mão por tropas inimigas aerotransportadas ou anfíbias.

A Legião Portuguesa utilizava os mesmos motociclos que o Exército. Na foto, um legionário micaelense e uma provável Rudge – Santana, II Guerra Mundial [3]

A Legião Portuguesa utilizava os mesmos motociclos que o Exército. Na foto, um legionário micaelense e uma provável Rudge – Santana, II Guerra Mundial

Viatra de comando do Regimento de Cavalaria 7 num desfile em Lisboa, acompanhado por um estafeta moto.

Viatura de comando do Regimento de Cavalaria 7 num desfile em Lisboa nos anos 40, acompanhado por um estafeta moto.

Motos da Guarda Nacional Republicana em Lisboa, nos anos 40.

Motos da Guarda Nacional Republicana em Lisboa, nos anos 40 e...

...Side-Car da GNR na mesma ocasião.

...Side-Car também da GNR na mesma ocasião.

Embora de fraca qualidade esta fotografia ilustra bem os meios em uso no final da II Guerra Mundial em Portugal.

Embora de fraca qualidade esta fotografia ilustra bem os meios em uso no final da II Guerra Mundial em Portugal.

Com funções diferentes das motos simples (duas rodas), surgem as motos com carro lateral, subdividido em normal e TT, antecessoras das viaturas de todo – o – terreno e suas substitutas em caso de um fraco orçamento. Eram pois utilizadas para a deslocação de oficiais, em especial para os de transmissões, nas longas distâncias que tinham que percorrer em serviço, bem como por médicos e chefes das oficinas. Associado a este tipo de moto, surge uma categoria muito própria designada por especiais (que em principio não foram utilizadas nos Açores) em que o carro lateral era adaptado para transportar uma metralhadora ou então, uma maca, um morteiro, uma mini cozinha ou material de transmissões, entre mais exemplos. A aplicação destas especializações é bem evidente nos exércitos beligerantes, ávidos em experiências e adaptações com motorizadas e constam das relações nacionais.

Uma leitura atenta do seguinte quadro por marcas revela bem o jogo de cintura do Estado português perante os beligerantes denotando-se um aspecto que sucedeu igualmente com o armamento: existem os motociclos ingleses (Ariel, B.S.A, Panther, Raleigh, Royal Enfield e Rudge), os alemães (B.M.W., D.K.W. e Zündapp), bem como os americanos (Harley – Davidson e Indian) e até franceses (Monet Goyon).

motos-acores-wwii [4]Conforme as diferentes circunstâncias da guerra, o estado português foi adquirindo material aos países cujas melhores relações (e contrapartidas económicas) possibilitavam o reforço material das tropas nacionais. Importante será também destacar que vários eram os modelos, tornando-se actualmente difícil detecta-los na medida em que quando integravam as fileiras, perdiam a sua identidade civil para se passarem a designar como viatura M. G. (Ministério da Guerra) com o respectivo número. Futuras investigações poderão fazer luz neste ponto, na medida em que as facções em conflito tinham vários modelos ao serviço, ao contrário do que se poderá pensar. Contudo, a predominância nos Açores é claramente britânica para as motorizadas simples e americana para as com carro lateral, sem menosprezar a presença alemã.

Desfile da Legião Portuguesa em Lisboa já em tempos de "Guerra Fria"

Desfile militar em Lisboa já em tempos de "Guerra Fria".

Exercicios da Legião Portuguesa que também tinha a seu cargo a chamada Defesa Civil do Território.

Exercícios da Legião Portuguesa na cidade do Porto nos anos 60. A Legião também tinha a seu cargo a chamada Defesa Civil do Território.

A Harley-Davidson com side-car em uso pelo Exército e pela Legião Portuguesa. Na imagem uma secção motorizada da LP em Lisboa.

A Harley-Davidson com side-car em uso pelo Exército e pela Legião Portuguesa. Na imagem uma secção motorizada da LP em Lisboa.

Em conclusão, apesar de já não ser necessário lubrificar o motor à mão, imaginar o caminho por intermédio de uma luz de acetileno e andar só com uma velocidade, como os seus camaradas da I Guerra Mundial, o motard militar português da II Guerra Mundial continuava a ser um solitário com liberdade para viajar e sentir o vento enquanto cumpria o seu dever, não chegando a sentir o horror da sua vulnerabilidade em campo de batalha, bastando-lhe o terrível estado das vias sulcadas pelas carroças, trilhos de erva ou de lama à mistura com os excrementos dos animais. Debaixo de bom ou mau tempo era certa a sua saída às 8 horas para alegria dos que os viam a chegar com cartas, reabastecimentos, material de reserva ou mesmo para reparação de uma qualquer viatura atolada. A sua importância como veículo de ligação em caso de ataque era inquestionável e alvo de orgulho por quem a conduzia. A solidariedade, intensa, bem como a rivalidade de máquina para máquina. Contudo, o aparecimento do todo – o – terreno, que em poucas horas se aprende a conduzir e o desenvolvimento do rádio fizeram esta especialidade quase desaparecer por completo do Exército, salva honrosa excepção à G.N.R. pela especificidade da sua missão. Em virtude das missões para a Paz, os nossos soldados utilizam-nas para fazer patrulhas, nomeadamente as quads, realçando novamente, embora já de forma diferente, todas as vantagens inerentes à utilização uma moto e que todos bem conhecemos. Fica feito pois o registo dos intrépidos motociclistas militares da II Guerra Mundial, que nos Açores contribuíram para que a invasão iminente não chegasse a ocorrer e que em muito destacaram a imagem dos motards, do Exército Português e do prazer de conduzir moto.

Sérgio Rezendes

O Grupo de Artilharia Contra Aeronaves em 1940. [5]

O Grupo de Artilharia Contra Aeronaves em 1940 já incluía motociclos.

Quer ver outro artigo de Sérgio Rezendes no Operacional? Clique em:

OS CANHÕES DA CASTANHEIRA EM PONTA DELGADA… [6]