- - http://www.operacional.pt -

BÓSNIA 96 NA IMPRENSA ESCRITA, PROJECÇÃO DA FORÇA CONCLUÍDA!

Em 29 de Janeiro de 1996, com a chegada a Split do último avião fretado à TAP, a projecção da força para o teatro de operações fica concluída. Parte do 2.º BIAT e do DAS já estão nos locais de destino, algumas centenas ainda vão percorrer as semi-destruídas estradas que os levarão da costa do Adriático às montanhas geladas da Bósnia e Herzegovina. Com este último grupo de militares chegam também ao terreno mais de uma dezena de jornalistas, “convidados pelo ministério da Defesa para acompanhar as tropas em operações”.

Entre o dia 5 e 29 de Janeiro, quase mil militares, a maioria pára-quedistas, chegaram à Bósnia e Herzegovina. O primeiro desafio - que muitos julgaram de difícil concretização e apostaram mesmo em adiamentos, sempre negados por quem estava no terreno - estava cumprido. Num curto espaço de tempo, para um país devastado pela guerra e num clima para o qual não estávamos preparados e mal equipados, não foi obra pequena. [1]

Entre os dias 5 e 29 de Janeiro, quase mil militares, a maioria pára-quedistas, chegaram à Bósnia e Herzegovina. O primeiro desafio – que muitos julgaram de difícil concretização e apostaram mesmo em adiamento – estava cumprido. Num curto espaço de tempo, para um país devastado pela guerra, sem autonomia logística em várias áreas, e num clima para o qual estávamos sofrivelmente equipados, não foi obra pequena.

Não vai ser fácil a coabitação militares/jornalistas! Se até aqui o relacionamento era relativamente pacífico com os poucos jornalistas presentes, agora as dificuldades da instalação, as limitações da força, as expectativas criadas em Lisboa a estes visitantes e a concorrência entre órgãos de informação, vai dar origem a um período curto mas intenso de alguma tensão entre jornalistas e militares. Em breve as regras “do jogo” vão ser alteradas, mas nesta fase já se começa a notar, aqui e ali, o tipo de notícias que vão desagradar a muita gente em Lisboa. A missão, essa segue o seu caminho dentro dos prazos previstos, cumprindo todas as determinações do escalão superior.

Pode-se mesmo dizer que os militares do 2.º BIAT e do DAS, mesmo sem terem ainda a “cama feita”, começaram as missões operacionais. Uma marca que permaneceria: em primeiro lugar cumprir a missão, depois, o resto.

A instalação das diferentes sub-unidades do 2BIAT no “corredor de Gorazde” foi um processo executado de acordo com as autoridades locais, pago pelo Estado Português, e não por imposição como se de uma força de ocupação se tratasse. Este facto condicionou as escolhas e na realidade muitos “quartéis” estavam longe de ser os desejáveis. Sendo certo que um deles rapidamente foi abandonado (Kukavice), também foi uma realidade que os outros apesar de muito criticados por todos os visitantes, ficaram anos e anos na posse das forças portuguesas, porque não havia opções melhores…

No dia 3 de Fevereiro – escassos 5 dias após a chegada dos últimos militares, o 2.ºBIAT tinha instruções para iniciar as missões que lhe estavam destinadas na sua área de actuação. E assim foi, como veremos em próximas notícias.

Hoje as publicações que apresentamos dão conta da chegada dos últimos militares e das condições existentes, as quais os jornalistas que os acompanharam transmitem para os seus leitores. Já começa a ser notada alguma polémica, aqui e ali – no fundo os militares tinham obrigação de saber que é muito para isso que a imprensa trabalha, para chamar a atenção dos leitores – mas a instituição militar, para já, não cria grandes obstáculos à imprensa, deixa-a fazer as suas reportagens sem problemas de maior, pese embora não lhe conseguir proporcionar os apoios prometidos em Portugal. É mesmo com alguma perplexidade que no terreno se toma conhecimento dos apoios apalavrados em Lisboa, sem qualquer ligação prévia com a Bósnia. Ali, se os militares viviam com limitações, muitas, imagine-se ainda conseguir proporcionar fosse o que fosse a visitantes? Ainda assim jornalistas da RDP/Antena 1 que haviam negociado com o Exército um programa específico, “O Bom Dia Bósnia!” pernoitam algum tempo nos quartéis. Em breve, também isto seria fonte de problemas e atrito não só com os militares como mesmo entre jornalistas de vários OCS.

Uma nota ainda sobre estas notícias que estamos a publicar. Neste início da missão a generalidade destes jornais não chegavam aos militares em operações. Os tempos em termos de comunicações não eram os de hoje (não havia telemóveis, não havia internet) e a força desconhecia a maioria das notícias publicadas em Portugal na imprensa escrita ou tinha delas um conhecimento muito fraccionado que podia ser pontualmente transmitido via telefone ou telefax. Só mais tarde com o desenrolar da missão se estabeleceram canais de transporte dos jornais, os quais embora com grande atraso, começaram a chegar ao teatro de operações. A RDP e a RTP essas sim chegam à Bósnia e eram muito seguidas. Com o tempo a força começou também a receber cassetes VHS com as notícias emitidas pelos canais privados de televisão e resenhas da imprensa escrita, num trabalho de apoio à força realizado em Lisboa pelas Relações Públicas do Exército. Estes envios no entanto estavam sempre dependentes dos voos de sustentação em C-130 (semanais nos primeiros meses de missão e depois mais espaçados ainda) pelo que a actualidade era relativa. 

Assim, em termos noticiosos, nos primeiros meses, sem dúvida que a percepção da opinião pública portuguesa sobre a missão na Bósnia transmitida por estes meios de comunicação social, era por vezes muito diferente daquela que os próprios militares em operações tinham. Aspectos que causavam grande polémica nos “estados-maiores” em Lisboa, pareciam a quem estava no terreno, absolutamente estranhos. Só com o desenrolar do tempo se conseguiu normalizar a questão das comunicações nesta área da informação pública, definir com clareza o canal de comando que passou do Exército para o EMGFA, e conseguir boa coordenação entre Lisboa e a Bósnia, com a informação a fluir sem problemas de maior, mesmo em casos graves como os dos acidentes, incidente e baixas.

 30JAN96 - A Capital [2]

30JAN1996 – A Capital

 30JAN96 - A Capital [3]

30JAN1996 – A Capital

 

29JAN96 - Jornal de Notícias [4]

29JAN1996 – Jornal de Notícias

 

29JAN96 - Diário de Notícias [5]

29JAN1996 – Diário de Notícias

 

28JAN96 - Comércio do Porto [6]

28JAN1996 – Comércio do Porto

 

27JAN96 - A Capital

27JAN1996 – A Capital

27JAN96 - A Capital [7]

27JAN1996 – A Capital

27JAN96 - A Capital [8]

27JAN1996 – A Capital

 

25JAN96 - O Crime

25JAN1996 – O Crime

25JAN96 - O Crime [9]

25JAN1996 – O Crime

 

29JAN96 - A Capital [10]

29JAN1996 – A Capital

30JAN96 - A Capital [11]

30JAN1996 – A Capital

 

30JAN96 - Correio da Manhã

30JAN1996 – Correio da Manhã

30JAN96 - Correio da Manhã [12]

30JAN1996 – Correio da Manhã

30JAN96 - Correio da Manhã [13]

30JAN1996 – Correio da Manhã

30JAN96 - Correio da Manhã

30JAN1996 – Correio da Manhã

 

30JAN1996 - Diário de Notícias [14]

30JAN1996 – Diário de Notícias

30JAN1996 - Diário de Notícias [15]

30JAN1996 – Diário de Notícias

 

30JAN1996 - Jornal de Notícias

30JAN1996 – Jornal de Notícias

30JAN1996 - Jornal de Notícias [16]

30JAN1996 – Jornal de Notícias

 

30JAN1996 - O Diabo

30JAN1996 – O Diabo

30JAN1996 - O Diabo [17]

30JAN1996 – O Diabo

 

31JAN1996 - A Capital [18]

31JAN1996 – A Capital

31JAN1996 - A Capital [19]

31JAN1996 – A Capital

 

31JAN1996 - Correio da Manhã [20]

31JAN1996 – Correio da Manhã

 

31JAN1996 - Diário de Notícias [21]

31JAN1996 – Diário de Notícias

 

31JAN1996 - Jornal de Notícias

31JAN1996 – Jornal de Notícias

31JAN1996 - Jornal de Notícias [22]

31JAN1996 – Jornal de Notícias

31JAN1996 - Jornal de Notícias [23]

31JAN1996 – Jornal de Notícias

 

31JAN1996 - Agência LUSA [24]

31JAN1996 – Agência LUSA

31JAN1996 - Público [25]

31JAN1996 – Público

31JAN1996 - Público [26]

31JAN1996 – Público

Leia também no Operacional:
BÓSNIA 96 NA IMPRENSA ESCRITA, OS PRIMEIROS DIAS DE 1996 [27]

BÓSNIA 96, AS OPINIÕES “PRÓ E CONTRA”, NA IMPRENSA ESCRITA EM 1995 [28]

BÓSNIA 96 NA IMPRENSA ESCRITA, «2.º BIAT» E «DAS» COMEÇAM A CHEGAR AO TEATRO DE OPERAÇÕES [29]

BÓSNIA 96 NA IMPRENSA ESCRITA, MORTOS PORTUGUESES EM SARAJEVO [30]