- - http://www.operacional.pt -

BÓSNIA 96 NA IMPRENSA ESCRITA, MORTOS PORTUGUESES EM SARAJEVO

Em 24 de Janeiro de 1996, com parte importante da força ainda em Portugal, a morte em Sarajevo de dois militares portugueses e um italiano, com vários feridos graves um dos quais português, teve um brutal impacto na opinião pública. No terreno o choque emocional foi enorme, mas o desenrolar da missão em nada afectado. Nem no calendário de entrada no teatro de operações da totalidade do contingente, nem nas tarefas de instalação em curso. Nas datas previstas o 2.º Batalhão de Infantaria Aerotransportado iniciaria as missões operacionais.

25JAN1996 - A Capital, com o único jornalista da imprensa escrita portuguesa em Sarajevo no dia do acidente, estava em posição privilegiada para cobrir estas primeiras horas dramáticas que se seguiram ao acidente. [1]

25JAN1996 – A Capital, com o único jornalista da imprensa escrita portuguesa em Sarajevo no dia do acidente, estava em posição privilegiada para cobrir estas primeiras horas que se seguiram ao dramático acontecimento na Brigada Multinacional Sarajevo-Norte, de comando italiano, que incluía as forças portuguesas.

Horas de profunda angústia para milhares de portugueses, com os familiares dos militares já destacados na Bósnia ou os que se preparavam para partir em destaque, marcaram essa noite de 24 de Janeiro. Televisões e rádios abriam os serviços informativos com noticias ainda sem detalhes mas com “vários mortos e feridos” a considerar. O despacho impreciso de uma agência noticiosa internacional a partir de Sarajevo tinha dado a informação em primeira mão, e dada sua natureza, o resultado só podia ser o que foi. O pequeno destacamento português que estava em Sarajevo só tinha um telefone satélite – uma única linha – que estava permanentemente ocupado por toda a espécie de comunicações relacionadas com o acidente, havia poucos jornalistas portugueses no local, as informações sobre o acidente que vitimou os  Primeiros-Cabos Pára-quedistas Alcino José Lázaro Mouta e Rui Manuel Reis Tavares e feriu com gravidade o  Primeiro-Cabo Aquilino Branco Oliveira, foram mal geridas por italianos e portugueses, com alguma descoordenação. As regras para a gestão da informação pública entre os contingentes dos dois países – ambos ainda em fase de instalação – não tinham ainda sido estabelecidas. Também neste caso, os militares portugueses estavam – e iriam continuar por mais umas boas semanas – a aprender a trabalhar num ambiente de pressão mediática diferente de tudo aquilo a que alguma vez na sua história tinham sido sujeitos.

As notícias na imprensa escrita, âmbito desta série de artigos, foram páginas e páginas em todos os jornais fossem eles “de referência” ou “populares”. Entre 25 e 30 de Janeiro, primeiro as noticias sobre o que se passou em Sarajevo, depois as homenagens à chegada e os enterros com histórias familiares dramáticas, tudo isto “entremeado” com notícias sobre o ferido, reacções oficiais, grande destaque para o ambiente em Lisboa na partida dos militares que seguiam para a Bósnia, artigos a colocar em questão a missão, a competência dos militares portugueses e as relações com os italianos, mas também outros a dizer que na Bósnia a vida continuava sem sobressaltos, de tudo um pouco foi publicado.

A resenha que agora voltamos a recordar é apenas uma pequena parte, julgada mais significativa, do então publicado, mas julga-se que dá bem a imagem do ambiente que então se viveu e perante o qual umas centenas de militares partiram para a Bósnia, mais determinados do que nunca a cumprir aquilo para que se tinham voluntariado. O “factor humano” que foi possível garantir antes, para as Forças Armadas cumprirem a decisão política de intervir com uma força de combate nos Balcãs, manteve-se firme e seguiu em frente. Foi uma dura e desnecessária lição (*), mas a realidade é que serviu de alerta para um dos perigos a que os militares estavam expostos num país devastado pela guerra, servindo de alerta a todos os contingentes no terreno.

(*) Durante os 12 meses da missão IFOR/NATO os países participantes sofreram 52 baixas mortais, a generalidade em acidentes, 4 das quais portuguesas.

25JAN96 - A Capital [2]

25JAN96 – A Capital

25JAN96 - A Capital [3]

25JAN96 – A Capital

25JAN96 - A Capital [4]

25JAN96 – A Capital

25JAN96 - A Capital [5]

25JAN96 – A Capital

25JAN96 - A Capital [6]

25JAN96 – A Capital

25JAN96 - A Capital

25JAN96 – A Capital

 

25JAN96 - Diário de Noticias

25JAN96 – Diário de Notícias

25JAN96 - Diário de Notícias [7]

25JAN96 – Diário de Notícias

 

25JAN96 - Público [8]

25JAN96 – Público

 

25JAN96 - Visão [9]

25JAN96 – Visão

25JAN96 - Agência Lusa [10]

25JAN96 – Agência Lusa

 

26JAN96 - Correio da Manhã [11]

26JAN96 – Correio da Manhã

 

 

26JAN96 - Comércio do Porto [12]

26JAN96 – Comércio do Porto

 

26JAN96 - Comércio do Porto [13]

26JAN96 – Comércio do Porto

 

26JAN96 Diário de Notícias [14]

26JAN96 Diário de Notícias

26JAN96 - Diário de Notícias [15]

26JAN96 – Diário de Notícias

26JAN96 - Diário de Notícias [16]

26JAN96 – Diário de Notícias

 

26JAN96 - Correio da Manhã [17]

26JAN96 – Correio da Manhã

 

26JAN96 - Jornal de Notícias [18]

26JAN96 – Jornal de Notícias

26JAN96 - Jornal de Notícias [19]

26JAN96 – Jornal de Notícias

26JAN96 - Jornal de Notícias [20]

26JAN96 – Jornal de Notícias

26JAN96 - Jornal de Notícias [21]

26JAN96 – Jornal de Notícias

27JAN96 -A Capital

27JAN96 -A Capital

26JAN96 - Público [22]

26JAN96 – Público

26JAN96 Público [23]

26JAN96 Público

26JAN96 - Público [24]

26JAN96 – Público

26JAN96 - Público

26JAN96 – Público

27JAN96 - Diário de Notícias [25]

27JAN96 – Diário de Notícias

27JAN96 - Expresso [26]

27JAN96 – Expresso

27JAN96 - Expresso [27]

27JAN96 – Expresso

27JAN96 - Expresso [28]

27JAN96 – Expresso

27JAN96 - Expresso

27JAN96 – Expresso

 

27JAN96 - Público

27JAN96 – Público

27JAN96 - Público [29]

27JAN96 – Público

27JAN96 - Público

27JAN96 – Público

 

 

 

 

Leia também no Operacional: 

A MISSÃO NA BÓSNIA EM 1996 E O ACIDENTE DE 24 DE JANEIRO [30]

MILITARES PORTUGUESES MORTOS EM MISSÕES DE PAZ [31]

MORRER NA BÓSNIA [32]

BÓSNIA 96 NA IMPRENSA ESCRITA, OS PRIMEIROS DIAS DE 1996 [33]

BÓSNIA 96, AS OPINIÕES “PRÓ E CONTRA”, NA IMPRENSA ESCRITA EM 1995 [34]

BÓSNIA 96 NA IMPRENSA ESCRITA, «2.º BIAT» E «DAS» COMEÇAM A CHEGAR AO TEATRO DE OPERAÇÕES [35]