- - http://www.operacional.pt -

37.º ANIVERSÁRIO DAS FORÇAS ESPECIAIS ANGOLANAS

Cabo Ledo, 5 de Maio de 2015, comemorações do 37.º aniversário das forças especiais angolanas. Apresentamos uma reportagem destas cerimónias, mostramos algumas novidades e damos a conhecer aspectos pouco conhecidos da sua história.

Homenagem aos Mortos em Cabo Ledo. [1]

Homenagem aos Mortos em Cabo Ledo, Comandos e Operações Especiais prestam homenagem “…à memória de todas as forças especiais que tombaram no campo da honra e deram a sua vida pela Pátria, segundo cerimonial castrense e os preceitos inscritos no ritual Comando…

 

37.º Aniversário

As primeiras forças especiais angolanas nasceram em 1978 com a criação do Centro de Instrução das Tropas de Intervenção, nas Mabubas, cerca de 70km NE de Luanda tendo de seguida havido várias mudanças estruturais nestas tropas e a 5 de Maio de 1983, a unidade mudou de designação para Centro de Instrução de Comandos(*). Da conjugação destas datas, surgiu assim o dia 5 de Maio, primeiro e durante muitos anos o dia festivo dos “comandos” angolanos, sem dúvida o principal núcleo de forças especiais em Angola, e mais tarde com a criação oficial das Forças Especiais (como abaixo veremos) o “5 de Maio” tornou-se o Dia das Forças Especiais Angolanas.

Este ano a cerimónia teve como ponto alto a imposição de boinas vermelhas a 216 novos comandos que terminaram o “Curso das Tropas Comandos”, e 88 que receberam as boinas verde-seco, do “Curso de Operações Especiais”.

Neste 37.º aniversário presidiu à cerimónia militar o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas, general Geraldo Sachipengo Nunda, que foi recebido em Cabo Ledo pelo Chefe da Direcção de Forças Especiais, Tenente-General Cruz Fonseca. Neste evento estiveram presentes as mais altas patentes dos três ramos das Forças Armadas Angolanas, os Adidos Militares acreditados em Luanda e vários convidados de forças armadas estrangeiras nomeadamente, de Portugal, o Chefe do Estado-Maior do Exército e o Comandante da Brigada de Reacção Rápida.

As Forças Armadas Angolanas em geral e as Forças Especiais em particular desenvolvem cooperação com vários países, entre outros a Rússia, Israel, China, Brasil, África do Sul, Namíbia e também Portugal. O nosso país em concreto desenvolve há muitos anos um programa de Cooperação Técnico-Militar, primeiro com o Regimento e depois Brigada de Comandos e agora com a Direcção de Forças Especiais, o “Projecto 4”. Neste âmbito estão em Angola quadros da Brigada de Reacção Rápida oriundos dos Comandos e das Operações Especiais, e muito recentemente um oficial e um sargento Pára-quedistas, da Escola de Tropas Pára-quedistas de Tancos.

O “renascimento” do pára-quedismo militar em Angola e nas forças especiais, foi uma realidade em 2014, pela mão de uma firma portuguesa contratada para o efeito, o Grupo Milícia, com o empenhamento de uma equipa de instrutores portugueses, todos sargentos pára-quedistas desligados do serviço activo. A Brigada de Forças Especiais e a Escola de Formação de Forças Especiais, passaram assim a ter a competência para executar missões de lançamento de pára-quedistas de modo autónomo (material, instrutores, largadores e operadores de zonas de lançamento), apenas necessitando da colaboração da Força Aérea Nacional de Angola para os meios aéreos (asa rotativa). Actualmente o pára-quedismo de abertura automática está em fase de consolidação e espera-se que o de abertura manual venha a ser uma realidade.

Dentro de instantes todo o esforço despendido no decurso instrução, todos os sacrifícios realizados, serão recompensados... [2]

Dentro de instantes todo o esforço despendido no decurso instrução, todos os sacrifícios realizados, serão recompensados…

...com a impisoção das boinas vermelhas dos comandos e as verde-seco das operações especiais. Altas entidades convidadas, nacionais e estrangeiras, juntam-se aos quadros superiores da BRIFE e EFFE, para proceder à entrega. [3]

…com a imposição das boinas vermelhas dos Comandos e as verde-seco das Operações Especiais. Altas entidades convidadas, nacionais e estrangeiras, juntam-se aos quadros superiores da BRIFE e EFFE, para proceder à entrega.

[4]

Aspectos do Desfile das Forças em Parada, com Bandeira Nacional e Escolta de Honra.

[5] [6]

[7]

[8]

[9]

A grande novidade no desfile deste ano em Cabo ledo foi a apresentação pública das novas armas individuais introduzidas na BRIFE... [10]

A grande novidade no desfile deste ano em Cabo Ledo foi a apresentação pública das novas armas individuais introduzidas na BRIFE…

...as Tavor israelitas... [11]

…as “MicroTavor X95” israelitas, que podem usar calibre 5,56mm e 9mm…

...parte do efectivo apresentou a TAVOR israelita. [12]

…embora não equipem a totalidade da unidade, são um sinal de modernidade a nível do armamento individual, tradicionalmente apenas com origem nos “Países de Leste”.

Os militares especializados em pára-quedismo desfilaram equipados com pára-quedas automático e capacete de salto. [13]

Os militares especializados em pára-quedismo desfilaram equipados com pára-quedas automáticos e capacete de salto.

A BRIFE usa pára-quedas de diversos tipos da fabrica CIMSA (que equipa por exemplo a brigada pára-quedista espanhola). Aqui vemos o automático TP2Z (orientáveis). [14]

A BRIFE usa pára-quedas de diversos tipos, automáticos e manuais, da fábrica CIMSA (que equipa por exemplo a brigada pára-quedista espanhola). Aqui vemos o automático dorsal TP2Z (orientável) e o ventral RTP26Z.

da Direita: General Carlos Jerónimo, Chefe do Estado-Maior do Exército Português, Brigadeiro Paulo, comandante da BRIFE, Major-General Carlos Perestrelo, comandante da Brigada de Reacção Rápida do Exército português e Tenente-general Cruz Fonseca, Chefe da Direcção de Forças Especiais.  cooperação entre as Forças Especiais Angolanas e unidades como os Comandos, Operações Especiais e Pára-quedistas Portugueses vem de longe. [15]

da Direita: General Carlos Jerónimo, Chefe do Estado-Maior do Exército Português, Brigadeiro João Paulo, comandante da BRIFE, Major-General Carlos Perestrelo, comandante da Brigada de Reacção Rápida do Exército português e Tenente-General Cruz Fonseca, Chefe da Direcção de Forças Especiais das  Forças Armadas Angolanas. A cooperação entre as Forças Especiais Angolanas e unidades como os Comandos, Operações Especiais e Pára-quedistas Portugueses vem de longe e mantém-se.

Cabo Ledo, base das Forças Especiais

Cabo Ledo “militar” localiza-se junto à povoação do mesmo nome, 120 km a sul de Luanda, conhecida pelas suas praias, resorts turísticos e características singulares para a prática do surf.

A base alberga actualmente a Brigada de Forças Especiais (BRIFE) e a Escola de Formação de Forças Especiais (EFFE), as quais estão dependência directa da Direcção de Forças Especiais do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas. Esta área militar dispõe no seu interior de uma pista de aviação asfaltada apta a receber qualquer tipo de avião da Força Aérea Angolana, áreas de instrução e alojamento, edifícios para o comando e estado-maior das unidades, e uma série de infra-estruras logísticas adequadas ao seu funcionamento, além de uma zona para lançamento de pára-quedistas, “mesmo ao lado”! Esta base, tem sofrido ao longo dos anos melhoramentos, estando já há uns tempos em curso um processo de renovação e construção de instalações, tendo em vista melhorar as condições de habitabilidade e introduzir novas capacidades.

No final da cerimónia saltos em pára-quedas por militares da BRIFE a partir de um MI-17 do Regimento Aéreo de Helicópteros da Força Aérea Nacional. [16]

No final da cerimónia saltos em pára-quedas por militares da BRIFE a partir de um MI-17 do Regimento Aéreo de Helicópteros da Força Aérea Nacional.

[17]

[18]

[19]

O pára-quedas automático TP2Z, aqui na versão direccional. [20]

O pára-quedas automático TP2Z, aqui na versão direcionável e mochila “Big Jump” da CamelBak, especial para salto em pára-quedas.

Aterragem com mochila, manobradores em baixo, calote com a"parte fechada" virada ao vento! [21]

Com este tipo de pára-quedas e procedimentos correctos, uma aterragem no cimento é sempre “dura”!

Forças Especiais Angolanas

Depois da criação do Centro de Instrução das Tropas de Intervenção em 1978 e da constituição da primeira unidade operacional, designada Batalhão Independente de Intervenção, em 1979, as forças especiais angolanas, criadas para combater contra os movimentos de que opunham ao governo de Luanda e forças de países estrangeiros que intervieram em Angola no período da guerra civil, tiveram várias reorganizações. A mais importante terá sido logo em 1983 a criação co Centro de Instrução de Comandos, tipo de tropa que viria a ganhar um enorme protagonismo em Angola. No dia de Natal desse ano, constituiu-se o 1.º Batalhão de Comandos das Forças Armadas Populares de Angola, especialidade que até aos acordos de paz de 1991, formou mais de 1.500 militares. As Operações Especiais tiveram a sua origem na criação, em 1984, do 73.º Destacamento de Protecção de Objectivos Mineiros, na Lunda Norte.

Os símbolos dos Comandos, Operações Especiais e Pára-quedistas, junto à "Porta-de-Armas" da Brigada de Forças Especiais em Cabo Ledo. [22]

Os símbolos e lemas dos Comandos, Operações Especiais e Pára-quedistas, junto à “Porta-de-Armas” da Brigada de Forças Especiais em Cabo Ledo.

Na sequência dos Acordos de Paz de Bicesse (em 1991), calcula-se que as FAPLA tenha desmobilizado cerca de 95% dos efectivos destas forças de comandos e operações especiais. O reacender da guerra com a UNITA levou o Estado-Maior General, agora já das Forças Armadas Angolanas, a mobilizar um núcleo de Comandos na reserva, para reactivar a instrução, a qual se iniciou no Morro dos Veados (21 km a Sul de Luanda), com o 1.º Curso de Comandos das FAA. Passados dois anos o Centro de Instrução foi primeiro deslocado para Catalangombe, 60 km a Sul de Luanda, junto ao Rio Kuanza e nesse mesmo ano para Cabo Ledo, onde já estava o Posto de Comando do Regimento de Comandos. Neste mesmo ano, 1993, é criado o Centro de Instrução de Operações Especiais e a Divisão de Tropas Especiais do Estado-Maior General das Forças Armadas. Em 1996 o Regimento de Comandos passa a designar-se Brigada de Comandos e em 1998 foi constituído o Regimento de Operações Especiais no Quicabo, 100km a NE de Luanda.

Em 2003 restruturaram-se anteriores estruturas superiores do EMGFA que tinham sido anteriormente criadas para coordenar esta área, como o Comando das Tropas Especiais criado em 1997 e nasceu a Direcção de Forças Especiais. Em 2004 foram extintos os Centros de Instrução de Operações Especiais e o Centro de Instrução de Comandos e criado o Centro de Instrução de Forças Especiais.

Foi também por esta altura que o Batalhão Operacional de Pára-quedistas da Força Aérea Nacional de Angola foi extinto e o seu pessoal transferido para a dependência da Direcção de Forças Especiais e colocado em Cabo Ledo. Os pára-quedistas angolanos nasceram na dependência nos anos 80 como Batalhão de Desembarque e Assalto também considerado Batalhão de pára-quedistas do Regimento Presidencial, dependendo directamente da presidência e mais tarde, já depois dos Acordos de Paz de Bicesse, foram então reorganizados como unidade da FANA.

Guião Heráldico da Brigada de Forças Especiais [23]

Guião Heráldico da Brigada de Forças Especiais

Em 2005 procede-se à criação oficial da Brigada de Forças Especiais (BRIFE), depois da extinção da Brigada de Comandos e Regimento de Operações Especiais, sendo o pára-quedismo militar uma especialização que militares Comandos, Operações Especiais e Fuzileiros Navais adquirem, não havendo qualquer unidade constituída com essa designação.

Na actualidade a BRIFE integra 2 batalhões de Comandos e 1 de Operações Especiais, e sub-unidades de apoio de combate e de apoio de serviços, sendo muitos dos seus militares especializados em pára-quedismo, o mesmo acontecendo a alguns militares da Brigada de Fuzileiros Navais, da Marinha de Guerra de Angola, unidade que pode colocar as suas sub-unidades ou militares a título individual, na dependência da Direcção de Forças Especiais, para exercícios ou operações reais, o que tem acontecido. Na BRIFE, o Grupo de Acções Especiais, desactivado ainda em 2005, está em processo de reactivação com a integração de militares que têm vindo a seguir uma formação especializada, longa, e muito abrangente, através de um Curso Avançado de Forças Especiais.

 

(*) A generalidade dos dados históricos referidos neste artigo são baseados num artigo publicado na “Revista Militar” n.º 37 (Estado-Maior General das FAA, Luanda, 2012) da autoria do Capitão Patrício Cambinda e em dados recolhidos pelo Operacional junto deste oficial investigador da história das Forças Especiais Angolanas. Não sendo cópia fiel naturalmente isentamos Patrício Cambinda de algum erro ou omissão que será sempre da nossa responsabilidade.

Quer vem o vídeo sobre o Curso de Pára-quedismo em Cabo ledo? Clique em CURSO DE PÁRA-QUEDISMO DAS FORÇAS ESPECIAIS ANGOLANAS [24]